domingo, 20 de junho de 2010

Legalização da Associação e Projectos de Intervenção Sociocultural















O Grupo de Amigos do Barreiro Velho (GABV), movimento cívico com quatro anos de existência, enfrenta um conjunto de novos desafios. Com o objectivo de dinamizar o centro histórico do Barreiro, de uma forma mais eficaz e construtiva, foi reforçada a sua equipa de trabalho. Além disso, realizou-se a legalização da instituição, no dia 16 de Junho, quarta-feira. Deste modo, o GABV sublinha os dois conceitos que fundamentam a sua intervenção na realidade do Barreiro Velho: preservar a memória histórica e arquitectónica que pertence a todos os barreirenses e fomentar a sua necessidade de futuro. A valorização do património poderá atrair novos habitantes, comerciantes e turistas, contribuindo para o crescimento da economia local.


Tradição e Modernidade:duas linhas de actuação 


Ao longo de quatro anos, o GABV tem procurado humanizar e estimular o espírito de comunidade nas ruas, através da realização de festas, feiras, sessões de fado e de poesia. A cor, a música e o divertimento fazem agora parte do quotidiano dos habitantes do Barreiro Velho. Ficamos satisfeitos, igualmente, com o aparecimento de novas associações que decidiram desenvolver algumas actividades neste local. Juntos poderemos mudar a realidade. Pretendemos continuar estas iniciativas, servindo a população local com muitas carências sociais e económicas, mas com uma memória digna de respeito e admiração.


Por outro lado, estamos a desenvolver um novo projecto que pretende transformar o centro histórico numa galeria de arte moderna e contemporânea: a Fábrica. Contando com a colaboração de artistas de diferentes locais, pretende-se criar um movimento cívico heterogéneo e plural, sem fins políticos ou religiosos. Em suma, a criatividade é colocada ao serviço do Barreiro Velho, numa tentativa de encontrar novas soluções para os problemas que caracterizam a sua realidade.


Desta forma, a Feira de Artes e Ofícios realiza-se nos segundos e quartos Sábados de cada mês e pretende ser o palco das culturas alternativas. Em cada evento, a Praça de Santa Cruz enche-se de artistas de rua, velharias, produtos de agricultura biológica e objectos reciclados. Além disso, esta iniciativa pretende transformar-se num laboratório cultural e de dinâmica social, tal como acontece nas grandes cidades europeias. Na próxima feira, dia 26 de Junho, iremos promover um concurso de fotografia e um atelier de reciclagem para crianças.


Para reforçar a presença deste movimento artístico no Barreiro Velho, a Fábrica apresentou dois projectos, na última reunião do Conselho para a Reabilitação e Desenvolvimento do Barreiro Antigo (CRDBA) que se realizou no dia 14 de Junho: uma Galeria de Rua para a Travessa Padre Abílio Mendes e a Reabilitação do Largo Rompana concebida por Kim Prisu, artista português com uma carreira internacional.


Não esquecendo a importância da poesia, estamos a desenvolver também as sessões Quintas a Ler. A comida, a bebida e o improviso contribuem para a criação. Na passada quinta-feira, o Café Pial estava cheio de amantes da palavra dita.

Vitorino C.


Feira de Artes e Ofícios, dia 26 de Junho

O projecto Fábrica apresenta-lhe a Feira de Artes e Ofícios que se realiza quinzenalmente (2ºs e 4ºs Sábados), uma iniciativa do Grupo de Amigos do Barreiro Velho. Palco de culturas alternativas e de divulgação artística (artistas de rua, música ao vivo, feira da ladra, mercado biológico, etc), tem como objectivo dar a atenção que merece o centro histórico de uma cidade. Além disso, este evento pretende transformar-se num laboratório cultural e de dinâmica social, tal como acontece nas grandes cidades europeias.







Venha visitar-nos no dia 26 de Junho, na Praça de Santa Cruz (perto da Polícia)!